Prosecore

Escritório: +351 21 446 21 60

Torradores para Café ou Grão

Torradores para cafe ou grao

Torradores para Café ou Grão

Necessita de torrar grão em lotes reduzidos? A Prosecore tem a solução ideal para si.

Para o embalamento com ou sem vácuo, veja também as nossas soluções nesta página.

Torradores de café e grão são equipamentos utilizados para transformar grãos crus em grãos torrados, prontos para serem moídos e preparados para consumo. Como matéria prima para os torradores encontramos uma variedade muito grande de produtos que podem ir desde o cacau, amendoim, castanhas e frutos secos entre outros. Os torradores de café e grão são assim encontrados em indústrias alimentares, como as de café, chocolates, doces, e também em empresas de agricultura e distribuição de grãos.

Os torradores de café e grão funcionam através de um processo de aquecimento dos grãos a alta temperatura, geralmente acima de 200 graus Celsius, para que ocorra a transformação do grão cru em grão torrado. O tempo de torra pode variar de acordo com o tipo de grão e o nível de torrefação desejado.

Existem diversos tipos de torradores de café e grão, que diferem em relação à capacidade, método de aquecimento e controle do processo de torrefação. Entre os principais tipos de torradores estão: os torradores de ar quente, os torradores de leito fluidizado e os torradores de tambor rotativo.

Os torradores de tambor são os mais comuns e utilizados no mercado, e consistem em um tambor giratório que aquece os grãos através de um sistema de aquecimento interno. Já os torradores de ar quente são equipamentos que utilizam ar quente para aquecer os grãos num ambiente fechado. Os torradores de leito fluido, por sua vez, utilizam um fluxo de ar para agitar os grãos e garantir uma torra uniforme, enquanto os torradores de tambor rotativo são mais utilizados para torrar grãos em grande escala.

As capacidades dos torradores de café e grão variam desde pequenos equipamentos domésticos, que podem torrar cerca de 100 gramas de grãos/carga, até grandes equipamentos industriais que podem torrar milhares de quilos de grãos por hora.

Os tipos de grãos que podem ser torrados dependem do tipo de torrador e do nível de torrefação desejado. Os grãos mais comuns são café, cacau, amendoim, castanhas, e grãos de soja.

A diferença entre tostador e torrador é subtil, mas geralmente o termo “tostador” é utilizado para equipamentos menores, domésticos, enquanto o termo “torrador” é utilizado para equipamentos com uma dimensão maior que são maioritariamente utilizados em indústrias.

Normalmente todos os torradores devem ser facilmente limpos, fáceis de desmontar, recolhedor de amostras, reguladores de temperatura.

O processo de torrefacção deve ser o mais lento possível e com temperaturas não muito exageradas. É assim importante que os torredores sejam convenientemente dimensionados para que não afectem a produção.

Os tipos de queimadores instalados nos torradores de café e grão também variam de acordo com o tipo de equipamento e a capacidade de torra desejada. Geralmente, os torradores industriais utilizam queimadores a gás natural ou GLP, enquanto os equipamentos de menores dimensões, como os torradores de tambor domésticos, podem utilizar queimadores elétricos.

Queremos no entanto realçar um tipo de torrefacção de café cujo combustível é a biomassa (e não o gás) e o arrefecimento se dá com ar e não com água.

É importante destacar que a torrefação dos grãos é um processo que pode afetar diretamenteo sabor, aroma e qualidade final do produto. Dessa forma, é necessário um controlo rigoroso do processo de torrefação para garantir a uniformidade e qualidade do produto final.

No processo de torrefação, o grão cru passa por uma série de transformações físicas e químicas, que são responsáveis por conferir as características de sabor e aroma ao produto final. 

O processo de torrefação é dividido em três fases principais: Secagem, Reação de Maillard e Pirólise.

Na fase de secagem, a humidade presente nos grãos é removida através da aplicação de calor. Na fase de reação de Maillard, ocorre a formação de compostos aromáticos e de sabor, que são responsáveis por conferir o aroma e sabor característicos do produto final. Já na fase de pirólise, ocorre a degradação dos compostos formados na fase anterior, o que pode afetar negativamente o sabor e aroma final do produto se a torra for muito prolongada.

Também o processo de torrefação pode afetar diretamente a qualidade nutricional dos grãos. Durante a torrefação, ocorre a perda de alguns nutrientes, como vitaminas e antioxidantes, afectando a qualidade nutricional do produto final. Por isso, é importante controlar o tempo e a temperatura de torrefação para minimizar as perdas nutricionais e garantir a qualidade final do produto.

Além disso, é importante destacar que a torrefação dos grãos também pode afetar a acidez do produto final. Durante a torrefação, ocorre a formação de compostos ácidos que são responsáveis por conferir a acidez ao café. Dessa forma, o nível de torrefação pode influenciar diretamente o pH do café e o sabor final do produto.

Para garantir a qualidade do produto final, os torradores de café e grão devem contar com sistemas de controlo de temperatura e humidade, para garantir a uniformidade da torra e evitar a formação de grãos queimados ou sub-torrados.

Para tal torradores também contam com sistemas de arrefecimento, para evitar que os grãos continuem a torrar após o término do processo de torrefação. Este sistema também é importante para evitar a formação de humidade nos grãos que por sua vez afecta a qualidade do produto final.

Este website utiliza cookies e solicita os seus dados pessoais para melhorar a sua experiência de navegação. We are committed to protecting your privacy and ensuring your data is handled in compliance with the General Data Protection Regulation (GDPR).